terça-feira, 17 de julho de 2012

Minha Terra Natal

sábado, 14 de julho de 2012

SIMPLESMENTE RONALDO



          Ronaldo ou poeta, assim era chamado por familiares, amigos e populares. Nem os seus secretários domésticos o chamavam doutor Ronaldo. Magnânimo, não avocava distinção, fosse como prefeito, governador ou senador. A ele bastava o nome de batismo ou o título de poeta. Homem especial, esteve além de meras denominações honoríficas, permanentes ou transitórias, geralmente imprescindíveis ao homem comum.
          Carismático, intelectual e boêmio, foi poeta por talento e político por vocação. Amante da poesia, cultuou Augusto dos Anjos com humildade, sem se vangloriar do seu saber. Os brasileiros o viram insuperável no conhecimento e na memorização de toda a obra do notável  poeta paraibano.
          Sábio, relevava a ausência das nobres virtudes. Leal e grato, convivia com naturalidade, mesmo com aqueles que lhe fossem ingratos e desleais. Afetuoso e terno, soube pedir perdão e perdoar. Por isso, amou, foi amado e permanece em cândido sonho. Assim, poeta, o devaneio nos acode na saudade! 
Astenio Fernandes
Médico oftalmologista
Membro da Academia Paraibana de Letras

quinta-feira, 12 de julho de 2012

E AGORA JOSÉ LINS DO REGO?

(Parodiando Drummond)

E agora José?
Cadê teu sorriso?
Cadê o teu jeito
De grande menino
Querendo brincar?


E agora José?
Cadê teu avô
Que não vem te buscar?
Cadê tuas tias
Do velho Pilar?

E agora José?
Sem Zefa Cajá,
Sem a velha Totônha
A noite é medonha;
Quem irá te alegrar?
 
O tempo passou,
O menino cresceu,
E ninguém percebeu
Que o mundo é engano
E que o passado ficou
Em completo abandono!

E agora José?
Cadê Papa-Rabo?
Cadê o moleque,
O menino Ricardo,
Que foi pra Recife
Pra nunca mais voltar!

E agora José?
Cadê teu engenho?
Cadê teu avô?
Teu palco de amor,
Cadê, onde está?
Quem destruiu
O Engenho Corredor?

“E agora José,
José, para onde?”
A noite está alta
E sentimos tão forte
A tua falta.

E agora José,
Aonde te escondes?
Nas páginas de um livro
Que gosto de ler
Sinto-me feliz;
Pois lá encontramos
Mais vivo que nunca!
O nosso ZÉ LINS.
_________________
ANTONIO COSTTA

domingo, 8 de julho de 2012

ADEUS... POETA RONALDO CUNHA LIMA.


sábado, 7 de julho de 2012

HOMENAGEM AO POETA RONALDO CUNHA LIMA


A PARTIDA DO POETA

 
Como senti poeta a sua partida!
Uma dor tremenda invadiu meu peito;
mesmo sabendo que rondava o leito,
a morte - quimera mor desta vida!

Como senti poeta a despedida

que deixou-nos todos quase sem jeito,
num voo de pássaro, veloz, perfeito...
partiu o gran poeta da Paraíba!...

O que nos consola é seu estandarte,
o legado eterno que foi sua arte,
seguindo viva, por ser obra prima...

Foi-se o poeta no clarão do dia
deixando aqui enorme nostalgia...
Adeus, adeus Ronaldo Cunha Lima!

Antonio Costta


 CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR


























ADEUS, POETA!


HINO OFICIAL DE PILAR- cantado por José Cosmo de Souza

HINO OFICIAL DE PILAR - cantado por Jordânia Borges