sábado, 19 de abril de 2014

A PROPAGANDA É BONITA, MAS A REALIDADE...



A rodovia PB-048, trecho Pilar/Juripiranga – um total de 13 km de estrada ligando os estados da Paraíba e Pernambuco, está para ser inaugura pelo governo do Estado da Paraíba. Pena que a obra é de baixa qualidade. Nem inaugurou ainda e já está com vários buracos, precisando de restauração em vários trechos. E vergonhoso como as empreiteiras economizam em material para, por certo, sobrar dinheiro. Quantos anos de garantia tem um asfalto desse se nem inaugurado foi ainda e já está se deteriorando? Nos Estados Unidos é de 50 anos a garantia e aqui na Paraíba de quantos anos será?... Fica a indagação.

É salutar provocar o debate. Não estou declarando meu voto a nenhum candidato a governador. Estou apenas exercendo meu direito de cidadão, de questionar o período de garantia de um asfalto que é construído com o dinheiro do povo. Se estão pagando o asfalto com o nosso dinheiro angariado em impostos, então que o façam bem feito. Chega de maquiagem, chega de ilusões!

Antonio Costta. 


quarta-feira, 9 de abril de 2014

Um lixão aos pés da Santa ( texto: Frutuoso Chaves)

PASME-SE - A Lei 12.305, que obriga os municípios brasileiros ao tratamento do lixo nosso de cada dia, entra em vigor pleno no início deste agosto que já se aproxima. Contudo, mais de 90% das Prefeituras sequer dão conta da primeira fase desse processo: a elaboração do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. O fato deu-me o tema do editorial que produzi para o Jornal da Paraíba, edição de hoje.
Aos pés da Santa

Um lixão cresce nas proximidades do Monumento a Nossa Senhora da Conceição, na histórica e pequena Pilar. Situa-se ao lado da estrada que a morosidade governamental, a passos de tartaruga, recobre de asfalto até a vizinha Juripiranga. A conclusão desta obra interligará a malha asfáltica da Paraíba à de Pernambuco, por mais este ponto, em benefício daquilo que o sociólogo Odilon Ribeiro Coutinho tinha como “área de profunda evocação lírica e histórica”.

Referia-se ele, desse modo, ao Mundo de José Lins do Rego – com seus engenhos de fogo morto – e, ainda, às capelas de Cruz do Espírito Santo datadas do período da invasão holandesa. O lixão, portanto, enfeia e agride um corredor que poderá ser aberto ao turismo cultural se a indolência e o desleixo não o sepultarem no nascedouro para desgraça da população carente de emprego e renda.


Neste País de tantos credos, a liberdade religiosa talvez faça o lixão de Pilar menos danoso aos Céus e, mais, aos homens de boa vontade. Contudo, não menos agressivo à saúde pública e ofensivo à legislação que rege a matéria.


Pois bem, expira-se em 2 de agosto o prazo estabelecido pela Lei 12.305, sancionada em 2010, para a extinção dos lixões nossos de cada dia. Passado todo esse tempo, menos de 10% dos municípios brasileiros cumpriram a primeira etapa do processo: a elaboração do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos que, aliás, teve o prazo vencido em 2012.


Entre outras coisas, a iniciativa serviria à definição de regras para coleta, transporte e manejo do lixo, diagnosticar situações e verificar a possibilidade de consórcios entre Prefeituras a fim de que tudo seja feito de forma a não prejudicar a saúde das pessoas e a do meio ambiente. Em suma, o tratamento adequado do problema exige mais do que aterros sanitários.


Que esperança se deve ter quanto à consecução dessas providências até agosto? Nenhuma, a julgar pelos monturos que em Pilar se avolumam a poucos metros do Monumento que, embora consagrado à Santa, foi erigido em 1899 para receber o Século 20. Na Paraíba, 204 Prefeituras sequer promoveram a regulamentação dos seus planos de gestão dos resíduos sólidos. Já foi dito que todas responderão por isso ao Tribunal de Contas do Estado quando da prestação das contas do exercício de 2013. Pelo menos, isso.

PASME-SE - A Lei 12.305, que obriga os municípios brasileiros ao tratamento do lixo nosso de cada dia, entra em vigor pleno no início deste agosto que já se aproxima. Contudo, mais de 90% das Prefeituras sequer dão conta da primeira fase desse processo: a elaboração do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. O fato deu-me o tema do editorial que produzi para o Jornal da Paraíba, edição de hoje.

Aos pés da Santa

Um lixão cresce nas proximidades do Monumento a Nossa Senhora da Conceição, na histórica e pequena Pilar. Situa-se ao lado da estrada que a morosidade governamental, a passos de tartaruga, recobre de asfalto até a vizinha Juripiranga. A conclusão desta obra interligará a malha asfáltica da Paraíba à de Pernambuco, por mais este ponto, em benefício daquilo que o sociólogo Odilon Ribeiro Coutinho tinha como “área de profunda evocação lírica e histórica”.
Referia-se ele, desse modo, ao Mundo de José Lins do Rego – com seus engenhos de fogo morto – e, ainda, às capelas de Cruz do Espírito Santo datadas do período da invasão holandesa. O lixão, portanto, enfeia e agride um corredor que poderá ser aberto ao turismo cultural se a indolência e o desleixo não o sepultarem no nascedouro para desgraça da população carente de emprego e renda.
Neste País de tantos credos, a liberdade religiosa talvez faça o lixão de Pilar menos danoso aos Céus e, mais, aos homens de boa vontade. Contudo, não menos agressivo à saúde pública e ofensivo à legislação que rege a matéria.
Pois bem, expira-se em 2 de agosto o prazo estabelecido pela Lei 12.305, sancionada em 2010, para a extinção dos lixões nossos de cada dia. Passado todo esse tempo, menos de 10% dos municípios brasileiros cumpriram a primeira etapa do processo: a elaboração do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos que, aliás, teve o prazo vencido em 2012.
Entre outras coisas, a iniciativa serviria à definição de regras para coleta, transporte e manejo do lixo, diagnosticar situações e verificar a possibilidade de consórcios entre Prefeituras a fim de que tudo seja feito de forma a não prejudicar a saúde das pessoas e a do meio ambiente. Em suma, o tratamento adequado do problema exige mais do que aterros sanitários.
Que esperança se deve ter quanto à consecução dessas providências até agosto?  Nenhuma, a julgar pelos monturos que em Pilar se avolumam a poucos metros do Monumento que, embora consagrado à Santa, foi erigido em 1899 para receber o Século 20. Na Paraíba, 204 Prefeituras sequer promoveram a regulamentação dos seus planos de gestão dos resíduos sólidos. Já foi dito que todas responderão por isso ao Tribunal de Contas do Estado quando da prestação das contas do exercício de 2013. Pelo menos, isso.

HINO OFICIAL DE PILAR- cantado por José Cosmo de Souza

HINO OFICIAL DE PILAR - cantado por Jordânia Borges